O que é fotometria?

Escrito na categoria "Dicionário da fotografia" por André M. Coelho.

Uma das perguntas mais comuns que recebemos é sobre quais configurações da câmera devem ser usadas sob certas condições de iluminação. A resposta a essas perguntas pressupõe algum conhecimento sobre os princípios básicos da fotografia. Neste artigo, tentarei explicar dois conceitos fundamentais de exposição e fotometria, que são interdependentes.

O que é fotometria e outros termos relacionados?

Os termos abaixo são sempre usados em associação na fotografia.

Exposição:

Esta é a quantidade de luz por unidade de área que atinge o sensor da câmera (ou filme) e é determinada pela luz ambiente, a duração da abertura do obturador (velocidade do obturador), a abertura do diafragma da lente (abertura da lente) e finalmente o reflexo capacidade do objeto a ser fotografado.

ISO – Sensibilidade do sensor:

O sistema padrão de medição para quanta sensibilidade à luz um filme fotográfico ou sensor tem ou, em outras palavras, é uma medida da capacidade da câmera (sensor) de capturar luz. A água que sai da torneira é a luz que entra em nossa câmera e o recipiente é o nosso sensor, que se enche dessa luz. Quanto mais baixa for a sensibilidade (ISO), maior será o recipiente e mais luz ele precisará para ser preenchido. Se receber mais luz do que o necessário, o recipiente irá transbordar, ou seja, nossa foto ficará superexposta (queimada). Se a luz for menor do que o necessário, nosso recipiente não estará cheio e a foto ficará subexposta (preta).

Fotometria:

Fotometria refere-se à medição da luz (brilho) conforme ela é percebida pelo olho humano. Na fotografia, é mais comumente chamado de Medição de Luz e se refere à medição da luz refletida de volta para o sensor da câmera pela cena que fotografamos. Isso define o tempo de exposição.

f-stop:

Um termo comumente usado em fotografia. Uma parada corresponde à duplicação ou redução da luz que atinge o sensor. Quando falamos de +1 ponto de parada, por exemplo, isso significa que a quantidade de luz que entra na câmera é duplicada. Isso pode ser obtido aumentando a sensibilidade (ISO) de 200 para 400, reduzindo a velocidade do obturador de 500 para 250 ou aumentando o diâmetro do diafragma de 4 para 2,8.

Super / Sub-exposição:

Isso significa que nosso sensor foi exposto à luz por um período maior ou menor do que o tempo determinado por nosso fotômetro. É contado em paradas. O resultado é uma imagem mais clara ou mais escura

Fotometria na fotografia

A fotometria são alguns dados técnicos que contribuem para a melhora na qualidade da fotografia. (Foto: Azom.com)

Por que devo me preocupar com essas configurações?

À medida que evoluímos na fotografia, percebemos que as configurações automáticas de nossas câmeras não são perfeitas e nem sempre atendem às nossas decisões criativas. Este é o momento em que o termo “Modo Manual” entra em nossas vidas. Mesmo em câmeras totalmente automatizadas, porém, o usuário deve estar ciente dos princípios básicos da fotometria, para que possa ao menos avaliar se pode tirar uma fotografia adequada ou não.

Para obter o melhor resultado, o máximo possível de informações da cena deve ser registrado no sensor. As áreas mais importantes para uma imagem decente são as áreas com realces e sombras. Capturar os detalhes em ambas as áreas é difícil devido à faixa limitada de brilho / contraste, que pode ser gravada no sensor. Este intervalo é medido em f-stops e para uma gravação adequada, precisamos conhecer as capacidades de nosso sensor e a faixa tonal da cena que fotografamos.

Como fazer a fotometria e como usar o fotômetro?

A maioria das câmeras hoje vem com um medidor de luz embutido. Ele avalia o brilho da cena, medindo a luz que entra pela lente, por isso o processo é chamado de medição TTL (através da lente). Com base nisso, o fotógrafo, ou a própria câmera, se estiver no modo automático, pode ajustar as configurações para garantir que a foto seja exposta corretamente.

Muitos fotógrafos, entretanto, preferem usar um medidor de luz portátil. A vantagem deste último é que ele mede a luz incidental – a luz que incide sobre o objeto a ser fotografado e não a refletida pela luz da cena, como é o caso dos fotômetros embutidos.

Os medidores de luz refletida são calibrados para mostrar a exposição apropriada para cenas “médias”, avaliando assim incorretamente as cenas com objetos de maior refletância (cores claras ou realces especulares), levando à subexposição. Objetos totalmente brancos absorvem 10% da quantidade de luz que recebem e refletem 90%. Ao contrário, os objetos pretos absorvem 90% e refletem 10%. Nestes casos, o fotômetro dará falsas indicações, pois será influenciado pelo grau de reflexão do objeto. Esses objetos serão representados com um tom de cinza médio opaco.

A medição de medidores de luz incidente, por outro lado, é independente da refletância do sujeito e é menos provável que leve a exposições incorretas para objetos com refletância média incomum. A luz incidente só pode ser medida com um medidor de luz portátil externo. Medir a luz que incide sobre nossos objetos resultará na exposição correta – o branco será branco.

Com base no cálculo acima das condições de luz, a câmera escolhe as configurações (ISO, abertura da lente e velocidade do obturador). O problema é que para cada cena uma série de configurações alternativas são possíveis e as escolhas do fotômetro não são baseadas em decisões artísticas. Por exemplo, em um dia ensolarado, uma abertura f16, combinada com uma velocidade do obturador de 1/125 e ISO 100, resultará em uma imagem perfeitamente iluminada. Se nossa escolha artística requer uma profundidade de campo estreita, é óbvio que teremos que corrigir manualmente as configurações propostas para, por exemplo, f / 4 e 1/2000.

E se eu não tiver um medidor de luz portátil/fotômetro?

Existem vários métodos e regras empíricas para ajudar a alcançar a exposição certa em várias circunstâncias.

Cartão cinza e substituto:

Todas as câmeras que possuem fotômetros embutidos podem medir apenas a luz refletida. Para evitar erros na medição, podemos utilizar um cartão cinza (cinza 18%) na frente do objeto que queremos fotografar, para que nosso fotômetro não confunda a cor do objeto e seu grau de reflexão. Se não tivermos um cartão cinza, podemos usar nossa palma para uma exposição precisa após calibrá-lo com um cartão cinza. Você só tem que fazer isso uma vez. Empiricamente, uma palma é cerca de 1/2 a 1 stop mais brilhante do que o cinza médio, portanto, para usar essa técnica, temos que medir a palma da mão e aumentar a exposição em 1/2 a 1 stop.

Sunny 16:

Existem algumas regras empíricas que eram usadas quando as câmeras não tinham fotômetro e que geralmente fornecem um resultado melhor do que o medidor de luz da câmera. A regra do Sunny 16 afirma que em luz forte, definimos o diafragma para 16 e nossa velocidade para o valor mais próximo de ISO, ou seja, para ISO 100, devemos selecionar 1/125 da velocidade do obturador. Claro, podemos escolher qualquer proporção equivalente, por exemplo. f11 e t 250. Para um céu ligeiramente nublado, abaixe 2 paradas, enquanto para nuvens pesadas e sombra 3 paradas.

Regra dos destaques:

Em uma cena com ampla faixa tonal, é melhor realizar a medição de luz nas áreas claras. Embora às vezes possa estragar a imagem, baseia-se no fato de que os realces queimados não podem ser corrigidos, enquanto as áreas escuras podem obter algumas informações no pós-processamento.

Medição de cenas de neve:

Se confiarmos no medidor de luz da câmera, a neve será apresentada em um adorável tom de cinza – opaco e sujo! O que precisamos fazer é usar um cartão cinza ou superexposição com 2 pontos (se o seu medidor disser que a velocidade do obturador deve ser 1/800, diminua a velocidade do obturador para 1/200). Isso é exatamente o que faz o programa “Snow” que existe na maioria das câmeras modernas.

Fotografia de retratos:

O mesmo é válido neste caso, principalmente se for inverno e a pele da modelo for branca. A solução é novamente o uso de um cartão cinza ou superexposição de 1 ponto.

Fotografia noturna:

Quando você tira uma foto noturna, especialmente em configurações automáticas, a câmera frequentemente interpretará mal a cena e exporá demais a imagem. Será brilhante e você poderá ver tudo como faria durante o dia, mas não parecerá uma cena noturna realista. O medidor de luz da câmera transformará a noite em dia. Uma subexposição de duas paradas renderizará a atmosfera noturna (se seu medidor disser que a velocidade do obturador deve ser 1/200, aumente a velocidade do obturador para 1/800).

Outro problema na fotografia noturna é que às vezes o fotômetro falha em “ler” a cena devido à iluminação insuficiente. Existem 2 dicas para nos ajudar neste caso. O primeiro é aumentar o ISO (3200 ou mais). Se, nessas condições, o medidor de luz nos dá valores, mas queremos alguma forma de fotografar a 100 ISO, então temos que calcular a diferença de parada de 100 a 3200 ISO (= 5 paradas). Se este método não funcionar, podemos tentar agrupar várias velocidades do obturador na esperança de que uma delas nos forneça uma imagem com iluminação aceitável.

Sistema de Zona Ansel Adams

Se apontarmos para uma parede branca e tirarmos a foto, teremos 18% de cinza – é assim que os medidores de luz funcionam. Após a primeira foto, continue atirando na parede, reduzindo gradualmente a exposição em 1 ponto até -7 ponto. Então, começando novamente a partir da medição original, faça mais 7 exposições, desta vez aumentando a exposição em 1 ponto a +7 ponto.

Se estivéssemos usando filme, descobriríamos que das 15 tomadas apenas 9 teriam escrito algum detalhe. Esta é a faixa tonal (faixa dinâmica) que um filme pode gravar. Adicionando o preto absoluto e o branco absoluto, temos o sistema de 11 zonas de Adams. Destas 11 zonas, 5 estão nas sombras e 5 nos destaques.

Se o que foi dito acima parece muito complicado, as câmeras modernas são equipadas com uma ferramenta valiosa para calcular a exposição – o histograma. O histograma nos dá informações sobre a distribuição tonal da imagem. Algumas câmeras possuem dois gráficos separados, um para preto e branco e um tricolor, que indicam o brilho de cada uma das cores básicas. Isso é importante porque os valores de brilho para cada cor são diferentes.

Usando o histograma

Mencionamos anteriormente a regra de realces (medição nas áreas claras da cena), uma regra que às vezes pode levar a imagens mal expostas. Ao usar o histograma, esta regra não é necessária e é substituída pela regra “expor à direita”. Com isso, queremos dizer que superexposta até que o histograma toque a borda direita do gráfico. Assim, garantimos que obtemos a melhor qualidade de imagem possível em sombras e tons de cinza. É importante lembrar que nas sombras (áreas com pouca luz) o desempenho das câmeras digitais é pior, tanto na gravação de detalhes quanto na produção de ruído.

Agora que temos o conhecimento básico sobre medição de luz, em um artigo a seguir falaremos sobre as escolhas artísticas para as melhores configurações da câmera em várias circunstâncias.

Se você tiver alguma dúvida, não hesite em perguntar, utilizando os comentários abaixo para suas perguntas.

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

André tem uma família entusiasta de fotografia desde a década de 70. Já passaram por diversas máquinas e tecnologias, até máquinas de slide quando foram lançadas no Brasil. Quando se mudou para Belo Horizonte, em 2009, André conheceu e atuou com amigos no audiovisual. Conheceu e morou com um produtor e cineasta em uma república, com quem aprendeu muito sobre câmeras. Hoje, André continua estudando sobre câmeras e compartilhando seus conhecimentos no blog Super Câmera.

Deixe um comentário